Browse By

openSUSE 11: Uma distribuição Linux simplesmente incrível

A evidente puxação de saco do título pode ter sido excessiva à primeira vista, mas que o openSUSE é uma distribuição acima da média, é quase impossível negar. Nesta análise, baseada no DVD do openSUSE 11.0 RC, junto com uma galeria com 98 screenshots do sistema, você encontrará as principais novidades, críticas e elogios para este grande lançamento, que está previsto para o dia 19 de junho.

O openSUSE é uma distribuição que utiliza pacotes RPM, inclusive com suporte ao chamado Delta RPM que, nas atualizações do sistema, não baixa todo o pacote, mas sim apenas os arquivos alterados. Isso evita aqueles pacotes enormes do OpenOffice.org de 150 MB para corrigir falhas em cinco ou dez arquivos, por exemplo. Outro ponto forte do openSUSE é o YaST, painel de controle super completo, onde é possível configurar da conexão com a internet até o gerenciador de boot. Não podemos esquecer que ele vem com o novíssimo KDE 4.0.

Download

Em distribuições Linux, é comum e até padrão disponibilizar versões RC, beta ou mesmo alpha para que usuários possam testar, afinal, é assim que a maioria das distribuições são construídas: a partir dos feedbacks da comunidade. Apesar de não ter tido problema algum com instabilidade de softwares, ainda não recomendo a instalação do sistema em desktops de produção. Só instale no seu HD caso saiba o que está fazendo.

O openSUSE 11.0 RC1 está disponível para PCs 32 bits, 64 bits e PowerPCs, em LiveCDs instaláveis e DVDs. Esta análise foi baseada no DVD de 32 bits numa máquina virtual no VMware Workstation 6.0.4. Os resultados obtidos aqui podem não ser os mesmos de outras versões.

Instalando o sistema

De cara, já é possível imaginar como seria o sistema pela tela de boas vindas, muito bem desenhada.

Para usuários Linux, não há nenhum segredo nesta tela, já que é bem semelhante às centenas de distribuições atuais, incluindo aquelas distribuiçõeszinhas que são baseadas no Kubuntu que é baseado no Ubuntu que é baseado no Debian. Basta selecionar os detalhes como idioma, resolução de tela e utilizar a opção de instalação.

Logo após a seleção, o kernel do sistema é carregado e, após o boot, o assistente de instalação foi iniciado. Outro ponto forte do openSUSE: o instalador, incrivelmente amigável, como o do Ubuntu e ao mesmo tempo altamente configurável, como o do Debian. Se você nunca testou as versões anteriores do openSUSE, garanto que nunca viu algo igual.

A distribuição possui, como ambientes gráficos principais, o GNOME 2, o KDE 4 e o KDE 3.5. Esta é uma escolha muito pessoal, questão de gosto e, como admiro bastante o KDE, ambiente gráfico bastante odiado por certos usuários de GNOME e Xfce, escolhi o KDE 4.

O particionador do instalador do openSUSE não é possui barras gráficas de partições como o GParted, QtParted ou o particionador do Mandriva. Não é exatamente um problema, mas poderia ser melhor, já que isto pode confundir usuários iniciantes que estão migrando para o mundo do Linux.

O instalador permite a importação automática dos usuários de uma versão anterior instalada no HD. É um recurso que já existia no openSUSE 10.2 e é uma mão na roda para sistemas com dezenas ou centenas de usuários. A criação de usuários? Difícil fazer algo mais fácil.

Logo depois, podemos ter uma visão geral das configurações selecionadas, e selecionar manualmente os softwares que estão no DVD, que não são poucos. Na screenshot, estava instalando o Nano, editor de texto por linha de comando super fácil de usar. Recomendado para usuários que se perdem nos comandos exóticos do Vim.

A instalação foi rápida e tranqüila, em menos de meia hora já estava com o sistema totalmente funcional. O capricho do instalador, com uma apresentação de slides, mostra o que a distribuição tem de melhor.

Usando

O desktop com o KDE 4.0.4 está pronto para ser usado. Um problema aqui é que nem tudo está traduzido ainda, inclusive a tela de boas-vindas da distro. A seleção de programas é muito boa (pelo menos no meu gosto). Vem com Mozilla Firefox 3.0 beta 5, Amarok 1.4 (já que o 2 ainda está um pouco instável), OpenOffice.org 2.4.0…

Como disse no começo do artigo, o openSUSE possui o YaST, painel de controle super completo.

A lista de repositórios é ótima, já que inclui o Packman, repositório com pacotes atualizados para os mais variados tipos de softwares. Inclui também um repositório especial com softwares da Mozilla, K Desktop Environment, Wine, GNOME, softwares livres e não-livres.

O openSUSE Updater, além de ter suporte ao delta RPM, já explicado no início desta análise, não possui segredo de uso. Basta selecionar os pacotes que deverão ser atualizados e mandar o programa instalar.

O KDE 4

O KDE 4.0 esteve bem estável, apesar de ainda ser novo e estar rodando em um sistema em fase release candidate. Vale a pena destacar a arte gráfica feita pelo pessoal do openSUSE. Quem já usou o openSUSE 10.2 sabe: era uma distribuição verde que tinha virado azul. O wallpaper era muito bonito (não que o atual seja feio, mas…). É possível selecioná-lo nas propriedades do desktop.

Os widgets, ou melhor, plasmoids do KDE 4 são bem úteis.

Você acha que isso tudo ficaria muito pesado? Mude de opinião, pois apesar de o openSUSE ser considerado uma distribuição pesada, com o Firefox 3.0 beta 5 aberto e KDE 4.0.4, o uso de memória estava em 155 MB. Bem menos da metade dos requisitos mínimos do Ubuntu e seu GNOME.

Concluindo…

Confirmando o título desta análise: O openSUSE é uma distribuição incrível. A facilidade de uso do sistema é clara e, geralmente, não traz problemas para win users. O painel de controle YaST, o delta RPM, o KDE 4, a estabilidade, a rapidez, o baixo consumo de recursos, a boa seleção de pacotes, o profissionalismo da distribuição. Tudo isso faz do openSUSE 11.0 uma das melhores distribuições da atualidade. Uma pena como é pouco conhecida aqui no Brasil…

Galeria de screenshots

  • Mauricio

    Assim que lançar vou tentar me aventurar no mundo Linuz :p

  • Ultimate The One

    Olha, nos PCs da minha faculdade usavam esse OpenSuse antes (agora estão com Windows XP mesmo), mas na minha particular opinião, achei muito ruim. Existem Linux melhores. Mas tmb, isso eu falo baseado naquela versão do OpenSuse que tava na faculdade, quem sabe esse novo seja MUITO melhor?

  • Bruno Luiz

    Muito bom o artigo, mas faltou falar sobre o GNOME e o KDE 3.5 do OpenSUSE 11 e sobre se ele é lento ou não.

    Flw!

  • Dudy

    O artigo ficou bom, mas acho que você falou pouco e postou muitas imagens, deveria ter feito uma analise mais profunda.

    Mas valeu a iniciativa..

  • @Ultimate The One: Se for o 10.0, a maioria dos usuários diz que era instável e bugado, fazendo lançarem até um SP1. Não testei ele (e nem pretendo), mas talvez seja esse. 😛

    @Bruno Luiz: É, talvez eu complemente o artigo futuramente. O openSUSE 11.0 não se mostrou lento numa máquina virtual com 256 MB de RAM no VMware.

    Abraços!

  • Alexandre

    Quanto ao reconhecimento de placas de vídeos como esta essa versão?? Em versões anteriores tive problemas com o reconhecimento de minha placa ATI por isso a pergunta.

  • Mauricio

    Só corrigindo… hehehe Linux

  • nokax

    eu gostaria de me aventurar no mundo linux, porém não entendi o pq dessa versão do linux ser otima, até onde eu vi o ubunto parece ser + facil e mais bonito, e tem outros linux com efeitos visuais mais bonitinhos, então me pergunto, oq esse tem de melhor que os outros?

  • Enquanto estou escrevendo este texto está sendo instalado o openSUSE 11.0 numa máquina virtual. Sempre gostei da dsitro SuSE.

  • Bill

    nokax,

    Não existe distribuição melhor ou mais bonita, existe distribuição que você mais se familiariza, todas elas podem ter o mesmo visual se você quiser, basta personalizá-las a sua maneira, o que muda de uma para outra são os repositórios (lugar aonde ficam armazenado os pacotes de instalação dos aplicativos e atualizações) e algumas formas peculiares de se configurar ou fazer alguma coisa especifica.

    Eu particularmente prefiro o Ubuntu pela popularidade, facilidade e por vir com o mínimo possível de aplicativos instalados, caso você precise ou queira instalar algum aplicativo, basta abrir o synaptic (gerenciador de programas), mandar ele atualizar (ele ira se conectar aos repositórios, recebendo a lista com os programas mais recentes), com isso basta digitar o nome do programa e questão e pronto.

    Não tive uma experiência muito boa o Suse, desde sua versão 5, acho-o muito diferente em relação aos outros (forma de fazer as cosas) o que o deixa bem incomodo.

    “Não podemos esquecer que ele vem com o novíssimo KDE 4.0.”

    Qualquer usuário experiente em Linux evita usar o KDE, usuários mais experientes ainda, dependendo da aplicação que dão ao Linux preferem usar apenas o Shell (linha de comandos), o KDE sempre foi visto com péssimos olhos pela comunidade Linux, visto com péssimos olhos por ser EXTREMAMENTE LENTO E BUGADO, os erros são inevitavelmente freqüentes, e a velocidade é muito inferior aos muitos demais módulos gráficos existentes, mas parece que o KDE é o sonho de qualquer usuário Windows que migra para o Linux, isto é devido ao foto do KDE ser apenas bem bonito e muito parecido com as perfumarias do Vista (segundo uns)

    Mas para aqueles que querem se aventurar no mundo Linux, comecem pelo Ubuntu ou Fedora… Com ou sem KDE, se preferirem usem com (Xfce, KDE, Gnome, entre muitos outros)

  • Pedro

    “…mas parece que o KDE é o sonho de qualquer usuário Windows que migra para o Linux, isto é devido ao foto do KDE ser apenas bem bonito e muito parecido com as perfumarias do Vista (segundo uns).”

    Eu não concordo 🙁 (e olha que tu não é o primeiro que vejo falando isso). Antes de migrar pro Linux, eu fui conhecer as opções gráficas. De cara achei o KDE muuuito feio (o Qt é horrível ;P). O Xfce ficou no meio termo. Até que eu testei o GNOME… (até desisti de testar o Enlightenment e o Blackbox) Acho a identidade visual do GNOME a cara do Linux. É única. 🙂

    Tá certo que o GNOME não é tão leve quanto um Xfce, mas não é nada muito além do que os usuários do Windows XP (grande maioria) já estão acostumados. O consumo depende mais da distribuição em uso. Eu particularmente prefiro o Ubuntu, graças a gama de opções que ele oferece. Sem contar que ele usa APT e dpkg, que já estou acostumado. Mas deixando minhas preferências de lado, se fosse pra aderir ao modo RPM de ser, eu usaria o Fedora. Aquela distribuição me surpreende a cada lançamento. 😀

  • Não o estou utilizando no momento porque não estou em, casa, mas eu também uso o openSUSE 10.3 😉

  • ziztz

    Uso o linux a um bom tempo e pra mim é surpresa que o KDE é “mal visto pela comunidade”. De onde vc tirou essa idéia… Existe usuários que não gostam dele, isso é fato, mas daí a dizer que ele é mal visto ¬¬’

    Gosot do Gnome tb, hj em dia ele está mais bonito, sendo que para mim tanto faz ser um ou outro. Só não gosto do XFCE…muito estranho e daquelas “Qualquer Coisabox” da vida.

  • Mania que as pessoas tem de falar as coisas sem conhecimento. O Gnome a cada nova versão é mais pesado, e o KDE4, mesmo com todos os novos recursos que traz, é infinitamente mais leve que o próprio KDE 3.5 e o Gnome 2.20

    Pra quem diz que gosta do Ubuntu, reclamar de instabilidade e "leveza" do KDE acaba sendo até um elogio.

    E pra fechar com chave de ouro

    "o KDE sempre foi visto com péssimos olhos pela comunidade Linux"

    Péssimos olhos queria ter eu nesse momento para não ter que ler tamanha asneira.

  • 😯 Aqui no IECA7 o fundo tá certo 😕

  • “Qualquer usuário experiente em Linux evita usar o KDE”
    Pois é, mas como tudo tem uma exceção, o Linus Torvalds não se encaixa nessa. Ele inclusive recomenda o KDE, provavelmente deve ser mais um desses usuários idiotas de Linux, que mal sabem compilar o kernel, né?

    “o KDE sempre foi visto com péssimos olhos pela comunidade Linux, visto com péssimos olhos por ser EXTREMAMENTE LENTO E BUGADO, os erros são inevitavelmente freqüentes, e a velocidade é muito inferior aos muitos demais módulos gráficos existentes”

    HAUHAUAHUAHUAHAUHAUHAUAHUAHAUHAUAHUAHA!!!

    Sem comentários!

  • Bill

    Paulo Seikishi Higa,

    Eu sou eu, e não uso KDE, consideram-me um usuário e programador Linux muito experiente (desde 1991) e se me perguntassem qual Linux usar, eu olharia para a pessoa, dependendo da impressão que ela me passasse (analise contextual da pessoa) eu diria: “-Vai para o VISTA que o parta” (mas como não sou tão malvado assim, eu explicaria que em tal caso é melhor usar o XP.

    Agora, se você quer realmente usufruir do PODER do Linux, recomendo korn shell, c shell, poxis shell e bash.

    Esses módulos gráficos vieram para facilitar as coisas, para que o sistema pudesse ser usado por “leigos” (é indiscutível que isso seja o futuro, e ele tem caminhado para isso), mas o preço que se paga é lentidão, instabilidade, consumo de HD… entre outros.

    Uma pergunta, as pessoas que saem do Windows para Linux, tem noção do que roda por detrás do visual do GNOME ou KDE? (creio que não, isso é um erro, porque Linux é um sistema que exige conhecimentos maiores do usuário), aquele velho ditado, quem vê cara não vê coração, em outras palavras, quem vê GUI não vê KERNEL. (infelizmente elas procuram sempre as facilidades, facilidades que lhe privam o conhecimento)

    Até…

  • Acabei de instalar o openSUSE 11 e está muito rápido com o KDE 4. Vou aguardar a versão final e atualizar. Muito bom!

  • Pedro

    Uma pergunta, as pessoas que saem do Windows para Linux, tem noção do que roda por detrás do visual do GNOME ou KDE?

    Depende. 😛

    Eu, por exemplo, tenho buscado (e muito) aprender bash. Não à toa que meu terminal nunca é fechado. Quando não é eu usando/testando minhas aplicações em modo terminal escritas em Python ou PHP, pode ter certeza, é eu usando o bash para facilitar minha vida. Deixo de fazer muita coisa pela interface pra fazer no terminal. Pra quem cria este costume fica muito mais rápido. 😉

  • No Windows ele deve usar só o Prompt de comando!
    Menu iniciar pra que?

  • Pedro

    Eu não uso Windows. Prompt de comando? Isso não serve pra nada. 🙂

    PS: Comparar terminal do Linux com prompt de comando do Windows é comparar Ferrari com Fiat 147.
    PSS: Existem usuários e usuários. Há quem dependa de GUI e facilidade (ou sistema mastigado). Há quem prefira agilidade/flexibilidade. Usuário que depende de interface gráfica é escravo; fica limitado ao que esta oferece. E só. Exemplo: eu baixo uma imagem de DVD, verifico sua integridade, gravo esta numa mídia virgem e verifico novamente sua integridade numa simples linha de comando aninhada, com opções específicas que me garantem agilidade/flexibilidade total. Até daria pra fechar e abrir a gaveta do gravador, pena que não existe comando pra inserir uma mídia vazia lá dentro. 😀 😀 😀
    PSSS: Win+R é mais ágil que “Menu Iniciar”.

  • Bill

    ” Os mais sábios de todos os tempos
    Sorriem, acenam e estao de acordo:
    É tolice esperar a melhora dos tolos!
    Filhos da sabedoria, façam tolos
    Dos tolos, como deve ser! ” Goethe

  • http://www.linuxmagazine.com.br/noticia/a_decaden

    Ao "gênio" do "o KDE sempre foi visto com péssimos olhos pela comunidade Linux".

    Qual será a próxima frase poética? Chico Xavier?

  • Eu não tenho nada contra o Gnome. Pelo contrário, eu até gosto. Mas me irrita DEMAIS gente falar merda sem saber. É história de que KDE é bugado, KDE é mal visto, Linuxer que é Linuxer usa shell…

    Aí quando alguém rebate alguma crítica e ele fica totalmente sem argumentos, joga uma frase de efeito que ele achou no Google e pronto.

  • Pedro

    Sobre KDE vs. GNOME:

    Eu poderia dar trocentos argumentos a favor do GNOME só porque prefiro GNOME. Mas eu não vou. O KDE está evoluindo mais que o GNOME? Está. Esta evolução é positiva? Depende dos olhos de quem vê (assim como aqueles que dividem opiniões entre Windows XP >> Windows Vista). Para mim é indiferente. Afinal, ninguém sabe do que vem pela frente.
    O importante é que o GNOME também continua evoluindo, a sua velocidade. Existem novidades interessantes (ao menos para quem usa/gosta do GNOME) planejadas para versão 2.24. Todo software tem seus altos e baixos (leia-se no sentido de produtividade). O próprio KDE teve um passado (?) turbulento (a interrogação é que eu não tenho como provar que não é mais, afinal, eu não uso KDE).

    Mais importante que isso, é que estamos num universo onde há opção. O melhor que podemos fazer, ao contrário de criticar a interface gráfica alheia, é parar para colaborar com aquela que gostamos. Assim ficamos mais produtivos e menos ignorantes.

  • Bill

    Felipe Bruni,

    Tenho 32 anos,
    Sou engenheiro eletrônico pela USP,
    Doutor em automação e controle pelo ITA,
    Como o senhor pode ver, tenho interesse em psicologia e filosofia, Goethe é um dos muitos filósofos que admiro, minha formação acadêmica não me permite dizer “merdas”, não sem forte embasamento teórico, embasamento que não é tirado de leituras populares para o povão genérico.

    Já passei por inúmeras gerações de computadores, tenho vasta experiência em programação assembly (voltada para eletrônica e automação) e inúmeras outras linguagens de programação que aqui no Brasil nem se tem conhecimento.

    Mas isso tudo é bobagem, o que temos aqui é uma porção de neófitos em Linux defendendo-o de maneira errada, ou seja, defendendo-o pelo visual, e é exatamente isso que me deixa chateado, porque o poder do Linux não esta no visual e sim na tela preta com letras brancas; Nada mais pérfido que defender uma causa com más razoes, mesmo que estas sejam inconscientes.

    Não atribuo qualidades a ninguém, e tão pouco qualquer um aqui seria capaz de atribuir qualidades a mim, se você crê que o que eu digo é “merda” apenas não de ao trabalho de responder.

    Agora, me diga, o que o senhor faz ou fez de tao grandioso assim no linux ou no windows que seja motivo de credito para uma consideraçao qualquer?

    Se quiser levar o assunto para fora do site, meu msn é eng.rennie@hotmail.com

    • williammreis

      Bill, tenho que concordar com voçê, o poder do linux esta na sua alma. voce so começa a ter controle total sobre o sistema quando entende de shell, lembrando que instalei um slackware para a minha leiga sobrinha e o configurei em uma semana, as amigas dela acharam muito mais facil e bonito que um ubuntum, o problema não é a distro, mas sim quem a adiministra.

  • De nada me interessa a sua idade e a sua qualificação se a única coisa que você faz aqui é trollar. Você simplesmente não aceita que alguém possa ter uma opinião diferente da tua. Se você se considera tão experiente assim, me admira a sua ignorância, não em relação aos seus conhecimentos, mas em relação ao respeitos com os usuários que pensam de forma diferente.

    Concordo que o poder do Linux esta no Shell, mas é absurdo pensar que as interfaces gráficas não tenham importância no desenvolvimento do sistema.

    Não duvido dos seus conhecimentos. Pelo contrário, sempre achei que pelos seus comentários você sabe o que fala, mas não perde uma oportunidade de cutucar a opinião dos outros.

    É absurdo, por exemplo, você afirmar que o KDE é visto com maus-olhos dentro da comunidade, sendo que é um dos ambientes mais usados. Teve seus problemas com Bugs e instabilidades? Claro que teve. Mas desde o KDE 3 (e principalmente do 3.5) tudo isso passou a ser uma grande falácia.
    O Gnome já era um ambiente muito mais leve, e se desenvolveu de forma absurdamente rápida nos últimos anos, mas também já não pode ser considerado um ambiente mais leve que o KDE (no mínimo se equivalem) e como o próprio link que eu postei mostrou, não tem evoluído tanto ultimamente para justificar o consumo de memória.

    “Agora, me diga, o que o senhor faz ou fez de tao grandioso assim no linux ou no windows que seja motivo de credito para uma consideraçao qualquer?”

    Não fiz nada, falo com conhecimento de usuário para usuários, que é o objetivo do site.

    E não sou senhor não. Tenho dez anos a menos que você, e provavelmente muito menos experiência, mas procuro sempre respeitar a opinião alheia, mesmo discordando.

  • Nilson

    O que é povão genérico?

  • Bill

    Felipe Bruni,

    "mas não perde uma oportunidade de cutucar a opinião dos outros."

    Concordo plenamente!

    😀

  • Bill

    Nilson,

    Pessoas genericas = Pessoas incapazes de pensamento abstrato e desinteressadas por qualquer traço que ultrapasse a sua experiência imediata. O seu comportamento é determinado, não pelo conhecimento e pela razão, mas por sentimentos e impulsos inconscientes é nestes impulsos e sentimentos que as raízes das suas atitudes, tanto positivas como negativas, estão implantadas.

    Leitura recomendada:

    Huxley – Admiravel mundo novo
    George Orwell – 1984
    http://www.ime.usp.br/~is/ddt/mac339/projetos/RdI-impactos-sociais/
    Fritjof Capra – O Ponto de Mutação
    http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Ponto_de_Muta%C3%A7%C3%A3o

    • Fabiano

      😯 Loucura, eu cai aqui do nada , e gostei do que você postou, varias visões e esteriótipos de mundos diferentes porem perfeitos ou então o caus , aos olhos, dependendo da mentalidade da pessoa e do mundo em foco . Vou ler estes 3 livros se eu conseguir acha os E-books deles .

  • korsairtuga

    Olá! Sou um novato no uso de linux, neste momento uso ubuntu. Quero só partilhar a minha modesta opinião, eu gosto do meu sistema bonito e fácil de usar e é isso que vou procurar sempre, não tenho tempo para decorar linhas de código, quero tudo “na ponta” do mouse.Tenho visto evolução nas duas releases que usei, por isso e por estar farto de ser dominado em coisas tão simples como a cor dos menus do meu sistema (só por exemplo porque há muito mais) estou gradualmente a abandonar windows. O meu laptop já não é novo logo nunca podia chegar para correr o vista mas tenho-o como eu quero, na minha opinião mais bonito que qualquer vista e rápido! Os linux expert users deviam perceber que a nova geração de linux users que está a crescer é disto que precisa! São as bases necessárias para acabar com monopólios e fazer a comunidade crescer, que julgo ser a base do open source…

  • “George Orwell – 1984”

    Um dos melhores livros que eu já li.

  • Fernando

    Cada um tem um gosto, não é verdade ??
    O que seria do verde se todos gostassem do azul ??
    Minha primeira experiência com Linux foi com Kurumin usando KDE, foi uma maravilha, uma excelente porta de entrada aonde vim me apaixonar pelo Linux…

    Agora acho inadmissível críticas ao KDE, pois afinal, gosto não se discute: se respeita

    Aliás é por falta de respeito e radicalismos que o Linux não é ainda mais popular, porque o Win-Vista é sofrível.

    OFF: é verdade que o KDE é o preferido do Linus Torvalds ???

  • Bill

    Desculpe-me, mas o que se esta discutindo aqui nao é gosto pessoal de cada um.

  • Raff

    Olá, pessoal. Não sou uma pessoa de críticas. Acho que todo software tem seus pontos fortes e pontos fracos. Todos apresentam algum tipo de falha que irrita alguns usuários mais do que outros. Falando sobre KDE e Gnome, não acho nenhum dos ambientes gráficos perfeito! E concordo que para alguns é realmente questão de gosto pessoal enquanto outros apoiam certa ideologia do projeto. Eu, por exemplo, dou preferência à integração e simplicidade de softwares. Por isso, estou usando atualmente o Gnome. Opa!, antes que me lancem pedras, aqui vai uma crítica forte para o Gnome: acredito que ele está longe na questão do equilíbrio entre usabilidade e simplicidade. Acho que ele é exagerado na simplicidade, e algumas opções óbvias chegam a faltar. Não vou entrar em detalhes. Só gostaria de dizer que o fato de eu estar usando o Gnome não quer dizer que eu seja contra o KDE. Gosto de programas do KDE como o Amarok e o K3B. Não gosto da maioria dos programas para Gnome. Não uso KDE porque ele é detalhista demais, o que vai agradar usuários mais experientes. Comparando um e outro, poderia dizer que tenho mais motivos para usar o KDE. Ora, e por que não uso de uma vez o KDE e largo o Gnome? Pois é, como falei, é uma questão de ideologia e os dois projetos devem coexistir. Meu principal interesse é ajudar a comunidade Linux, então, vou ajudar onde sou mais útil. Pela ideologia que o Gnome segue, acho que no momento o projeto precisa mais da minha ajuda que no KDE. Não vou perder meu tempo criticando nada de uma forma tão severa e sem base como muitos fazem e que já estou até cansado de ler. Gosto do Windows Vista, gosto do Mac OSX Leopard e gosto de diveras distribuições Linux. Sou um ecumênico dos sistemas operacionais? Nada disso! Mas, em todos eles eu encontro coisas boas e coisas ruins. Nenhum deles são perfeitos. Todos tem falhas graves. Todos precisam melhorar. Todos produziram alguma coisa boa. Não vou me focalizar em números para dizer qem tem mais erros. Em vez de me concentrar nas falhas de projetos, focalizo as coisas boas e procuro ajudar a corrigir as falhas, independente do sistema operacional. Também não vou me exibir por dizer de que forma contribuo no mundo Linux, isso não é importante. A questão é: não se apresse em criticar o trabalho dos outros se você não faz muito para ajudar. É muito fácil ficar esperando alguém acabar de aprontar algo e depois criticar porque não gostou. Bem, se alguém usou seu precioso tempo em aprontar algo que no final das contas foi ruim, o melhor que você tem a fazer é ajudar essa pessoa a produzir algo melhor. Nada de criticar a preferência dos outros também. Se alguém usa algo diferente de você, ele não é um “idiota”. Ele só apóia um outro projeto, que também tem seus pontos altos e fracos iguais os seus. Não tranformemos o mundo Linux em uma guerra do Iraque!

  • Bill

    Ev’rybody’s talkin’ ‘bout
    Bagism, Shagism, Dragism, Madism, Ragism, Tagism
    This-ism, that-ism, ism ism ism
    All we are saying is give peace a chance
    All we are saying is give peace a chance

  • Augusto

    Minha primeira experiência no Linux foi com o Kurumin 5.0. Depois de algum tempo, comprei uma revista em que trazia o Fedora 8 e gostei muito dessa distro. Depois, fui experimentar o Ubuntu que todos falam bem e não gostei muito e voltei para o Fedora agora o 9. Quanto ao KDE e o Gnome, prefiro o Gnome pela disposição dos ícones e também acho mais fácil de utilizar. No KDE é muito difícil encontrar o que quero. Tenho bem pouco tempo de Linux e nunca gostei do KDE, então não tem isso de preferir o KDE por parecer com o Windows pois acho muito diferentes um do outro.

  • Eu nunca me dei bem com o Fedora. Na verdade a única distro Linux com Gnome que eu realmente usei foi o Ubuntu. Tentei o Fedora com o KDE mas parece que ele padece do mesmo mal que o Kubuntu: não tem tanta atenção da comunidade quanto suas versões com Gnome. Ja em algumas distros parece o contrário. Mandriva e openSuse por exemplo parecem se dar melhor no KDE do que no Gnome.

  • Wallacy

    nokax,

    Só complementando.

    O SUSE é uma das distros mais antigas, datada de 1994 e tem larga experiencia no mundo linux e sempre prezou a facilidade de uso e o desenvolvimento tecnologico.

    Por exemplo o “visual”, desculpe-me descordar de sua opnião porém acho o visual do Ubuntu “horrivel”. Porém os efeitos visuais, isso o openSUSE é a UNICA distro que pode se gabar disso, afinal foi time de desenvolvimento do suse que criou o compiz e o XGL (suse/novell no caso) que você vê em quase todas as distribuições Linux.

    Veja um exemplo: http://news.opensuse.org/2008/06/07/sneak-peeks-at-opensuse-110-compiz-with-dennis-kasprzyk/

    Sei que beleza é algo muito pessoal, porém acredito que você se referiu ao compiz quando falou em efeitos visuais. Pois então que criou isso foi o SUSE.

    E no caso estou citando um “unico” projeto dentro centenas de outros que o openSUSE suporta.

    Vou “copiar” um trecho da resposta do moderador do susebr, o Icos Lau, que você pode confirir na integra nesse link: http://www.susebr.org/forum/index.php/topic,4266.0.html


    Temos uma distribuição que foi desenvolvida de uma das mais respeitadas distribuições existentes, Slackware, que apesar do openSuSE hoje não lembrar em nada seu genitor, não podemos descartar a sua contribuição e já maturidade à epoca. Junte-se a isso a aquisição da alemâ SuSE Linux pela respeitada Novell, que impulsionou, leia-se injetou recur$o$ em seu desenvolvimento, empresa esta com vasta experiência em redes, serviços, desenvolvimento e produtos corporativos. Aliado a isso, a aquisição da Ximian, patrocinadora/responsável pelo Gnome e pelo Mono, trouxe a Novell um significativo avanço no desenvolvimento de aplicações opensource, bem como na distribuição de uma respeitada distribuição Linux aos usuários finais, difundindo ainda mais este.

    Como subsidio a esta afirmação, temos como parceiros da Novell, empresas como Siemens, Peugeot/Citroen, AMD, Dell, IBM, Intel e sim, a Microsoft também.

    Uma distribuição que tem tanto investimento e conhecimento em sua “garagem” por si só ja tem argumentos suficientes para ter respeito em sua àrea de atuação, mas não se limita nestes.

    Como já citados, temos o YaST, ferramenta de administração do sistema que já foi utilizada por outras distribuições como modelo a ser seguido em ferramenta de administração centralizada. SaX, seguindo a mesma linha, permite facil acesso a adaptações em configurações de video e de entrada.

    Em suma, os fatores principais são confiabilidade, knowhow do principal desenvolvedor (SuSE) e parceiro (openSuSE), empresas parceiras já citadas.”

    Ao autor do artigo: Vale lembrar que o Yast não está sozinho! o SaX é outra grande ferramenta da distribuição, qualquer problema no X, basta digitar sax2 no terminal (ou sax2 -r) que para resolver tudo. (fica como dica)

    PS: Icos Lau, sua resp era em GPL né?

  • Pingback: Guia do PC » openSUSE 11.0 final!()

  • Raff

    Isso mesmo, Wallacy! O openSuse é uma grande distribuição e tem um time de desenvolvedores que “balançaram” o mundo Linux. Está na hora de deixar a paranóia de lado e elogiar quem realmente merece. Concordo plenamente com tudo que falou. As distros Linux são parceiras, não concorrentes.

  • Infelizmente o KDE 4 que vem no opensuse 11 ainda é muito instável, depois de mais de 10 horas de ajustes tive de reinstalar e colocar o 3.5, que está muito bom nessa versão do suse.

    Quem sabe na versão 4.1 do KDE.

  • Realmente o Opensuse é muito bom eu testei o 10.3 e tava muito bom, mas a conexao com a internet não funcionou no meu pc devido a ser discada e acabei desinstalando, mas se o 11 reconhecer minha internet discada irei instalar o mais rápido possivel.

  • Eduardo

    O windows é uma porcaria mas ele ainda consegue ser melhor que todas as distribuições linux atualmente por causa de seus inúmeros pogramas profissionais. Eu aguardo ansiosamente pela padronização dos pacotes linux, só assim existirá um sistema viável para todos os usuários. Eu não consigo acreditar que grandes empresas que estão por traz de grandes distribuições queiram realmente q isso aconteça pq mais uma vez o homem vem com seus interesses comerciais e, não enxerga o potencial de fazer uma distribuição com pacotes únicos de graça para todo mundo pq sem dúvida nenhuma, seria o sistema mais usado, e q essas empresas poderiam ganhar dinheiro em cima dos softwares criados para linux. Eu me pergunto pq os videos da globo.com só podem ser assistidos pelo media player? oq ele tem de diferente dos outros players? pq os melhores jogos só rodam em windows? pq o autocad, photoshop, vegas, adobe premiere só rodam em windows? e pq as distribuições linux ficam laçando versões diferente mas que tem um tal de extensão diferente “rpm, urpm, deb”?
    Eu acho perda de tempo usar linux sabendo q seu vizinho pode fazer muito mais usando windows. Nada contra o linux, só acho q as empresas querem que tudo continue como está e infelizmente, é eles que mandam no mercado, não nós. Uma solução para isso seria o nosso governo que nos representa tomar consciência disso e acabar com essa SACANAGEM. Só que todo mundo por lá deve pensar da seguinte maneira: “não, vamos deixar do jeito q está, pq qdo precisarmos vender mais computadores, vamos pedir a poderosa para colocar alguma coisa em VISTA para comprar a nossa nova remessa de computadores” ou seja: eles apostam na renovação mas não sabem q, investir em linux significa vender mais programas e que eles poderiam continuar obrigando o usuário a comprar novos pc’s sim, mas não com o sistema mas com os programas propietarios em cima do linux gratuito. seria um pouco melhor do q a situação atual pq o usuário pagaria apenas pelo q usa e não pagar uma facada de R$ 1000,00 por uma coisa inútil. Vamos continuar na roda!

  • Rodrigo

    @Eduardo

    Concordo com algumas coisas que você disse, a maioria dos softwares líderes em suas áreas só tem versão para Windows. Mas a verdade é que a grande maioria dos usuários não utilizam estes softwares citados por você, claro, à excessão dos jogos. A maioria usa o computador para usar a internet, abrir e-mail, usar msn, editor de textos, planilhas e ouvir mp3.

    Para isto o Linux serve muito bem sim, não é necessário ter o Windows para isso.

    E para os programas for Windows, existe o wine que é compatível com a maioria dos softwares windows, com um desempenho muito bom.

    O grande problema para o Linux no desktop é o fato de o Windows e todos estes programas citados por você e outros também como o Corel Draw, por exemplo, serem gratuitos. Ou não? Basta procurar em um rapidshare ou easyshare da vida que você encontra todos eles e muitos outros pra baixar, já com o devido crack/serial. Mais fácil do que isso é impossível. A pirataria já faz parte de nossa cultura a muito tempo.

    Quanto aos vídeos da globo.com, de onde você tirou que só é possível assistir pelo media player? Os vídeos da globo.com rodam em flash, do mesmo jeito que os do youtube. Assim só é preciso o flash player para assistir a esses vídeos. Já outros sites como o terra… esse sim é f… para quem usa linux assistir video nele.

  • Joel Teixeira

    Sensacional review, certamente um dos mais completos que já vi.

    Parabéns.

    Joel Teixeira

  • luiz carlos de oliveira

    Desculpe o meu amigo engenheiro , doutor e etc e tal , mas recomendo a ele estudar um pouco de marketing , vou lhe perguntar uma coisa , o seu carro tem direção hidraulica ??? , tem vidros automaticos , travas nas portas , retrovisor automatico ???? injeção eletronica ? cambio automatico ??? Para que , são todos acessórios dispénsaveis , mas que trazem conforto , já imaginou voce antes de ligar o carro ter que fazer a configuração do mapeamento da injeção eletronica para adpta-lo ao seu modo de dirigir ??? Infelismente meu amigo , se voce é tão bom assim e quer expremer o máximo o seu micro , então programe em assembler , que quem já usou sabe , faz milagres .

    Meu amigo interface gráfica significa conforto , voce pode gostar e ter tempo para gastar com configurações em linhas de comando , mas voce se imagine administrando uma rede com 20 mil usuários leigos , o que voce iria desejar ???/ um sistema a prova de idiotas, já pré configurado que fosse só ligar e usar. Temos que lembrar que o linux não é mais uma distribuição para NERDS mas ela tenta achar espaço nas empresas, inclusive alguns governos de estados como o do Paraná por ex , querendo usar apenas linux em suas estações .

    Eu lhe pergunto por que muitas pessoas compram uma máquina com linux pré-instalado e colocam em seu lugar um XP Pirata , na minha opnião por 3 motivos básico

    1 – Inercia – já conhece o Windows
    2 – Jogos – A Maioria dos Jogos só rodam em Windows ( Sem muito esforço , estamos falando de leigos , para Nerds isto não é verdade)
    3 – Facilidade de uso .

    Para resumir a GUI tem que ser inteligente por que infelismente os usuarios são burros .

    O Linux só vai ser efetivamente um concorrente a altura para o Microsoft , quando , for tão facil de usar , feito o Windows .

    Não quero aqui negar a importancia do Shell , mas ele tem seu publico , que é de pessoas com excellentes conhecimentos de informática , e que queiram extrair o máximo de seu equipamento , agora 99% da população quer usar o computador sem ter nenhuma dor de cabeça com ele .

  • Diego

    rsrs!!! essa comparação com o carro foi legal, luiz carlos!

    Realmente os usuários comuns precisam de um sistema que sejá fácil de usar. Linha de comando e edição de arquivos de configuração são para administradores de sistemas e técnicos.

    Os ambientes gráficos (KDE/GNOME) estão progredindo cada vez mais para facilitar a vida do usuário e até mesmo dos administradores de rede. Isso é necessário para que o S.O seja cada vez mais utilizado e para que as empresas produtoras de games e softwares mais utilizados comecem a produzir para este sistema operacional.

    Se não fosse a concorrência entre os ambientes gráficos e a colaboração da comunidade o Linux não teria se difundido tanto entre os usuários comuns, ainda estaria sendo utilizado somente nos servidores de rede.

  • Esse garoto tem futuro. Nunca utilizei o OpenSuse. Mas pelo merchan que você fez no título asuasuh! Vo tentar.

  • Até hoje não vi um review falando mal do OpenSuse, tanto que tentei inclusive instalá-lo aqui em meu notebook, porém ocorreu que na época um de meus pentes de memória não estava lá essas coisas e tive apenas dores de cabeça. Uma hora pretendo experimentar tal distro e ter assim uma opinião formada acerca dos benefícios ou não de seu uso.

    Meus parabéns pela determinação em todos os screenshots! Confesso, não teria tamanha paciencia e organização!

    A propósito, conheci seu blog agora e pretendo retornar a visitá-lo, um material bem interessante!

  • Kareca

    Paulo, parabéns, muito legal o seu artigo.

    Estou usando o openSUSE 11 na empresa onde trabalho como servidor proxy, com SQUID. O sistema, instalado em um P4 2.4GHz com 1GB de RAM e 120GB de HD utilizando interface GNOME, apresentou-se bastante estável e rápido atendendo às necessidades da empresa que hoje possui mais de 200 computadores com acesso à internet, passando pelo proxy.

    EU VOTO openSUSE 11

    The Best.

    P.S.: A todos vocês que sempre têm dificuldades para configurar um firewall, estão de saco cheio daquelas regras chatas do IPTABLES, a solução é utilizar o Endian Firewall Community que é uma alternativa mais “Enterprise” baseada no IPCop. O Endian é de fácil instalação e configurável por interface web. Vale a pena conferir: http://www.endian.com

    Abraços a todos.

  • spai

    legal

  • Pedro

    Sempre utilizei mac, e nunca participei dessas discuções.

    Acredito que esteja na hora de uma mudança, trabalho com aplicações grafica, cujos softwares somente existem em mac, o que torna a migração ardua.

    Mas em casa, tenho de tudo, windows (linux nao consegue detectar os hardwares corretamente de meu computador, mesmo complilando o kernel uma centena de vezes), linux… mac… e outros baseado em linux…

  • Nome

    o bom é a humildade do kra!!!!

  • Rodolfo

    Que pena ver o editor deste artigo participar de uma discussão infundada e ilógica, porque não há provas.

    Vocês apresentam opiniões diversas. O que realmente precisamos é de incentivo ao uso de um sistema Linux e não uma discussão sobre opinião de ambiente de trabalho, até mesmo porque isso é uma questão pessoal.

    Sem mais.

  • sem dúvida muito bonito… mas falatam alguns detalhes muito importantes para os novos utilizadores… um dos mais importantes esta descrito aqui:

    http://opensuse.awardspace.com

    Não compreendo, honestamente como é que deixam uma falha destas… 🙁

  • mauro

    LEGAL O MATERIAL SE DER ME MANDE POR EMMAIL PARA EU PODE ANALISAR MAIS DETALHADAMENTE OBRIGADO

  • Pingback: Análise do Mandriva 2009: Completo, prático e estável » Guia do PC()

  • Pingback: openSUSE 11.1 lançado » Guia do PC()

  • André

    Alguém saberia como conectar em discada com o opensuse 11, com KDE 4. Ele reconhce meu modem, o motorola sm 56, mas não consigo conectar. Por favor me ajudem. Meu e-mail é andre_eofim@hotmail.com

  • André

    Por favor, ajudem a conectar o opensuse 11 KDE 4, uso internet discada e meu modem é o motorola sm56. Meu e-mail é andre_eofim@yahoo.com.br

  • Pingback: Ubuntu: Linux para seres humanos » Guia do PC()

  • Augusto

    Boa.

  • Julian Ribeiro Jack

    Opa.

    Meu Opensuse trava na instalação, porque será? É um notebook com placa mãe ECS U50SA1 e processador intel T5550.

  • Pingback: Opteron()

  • Job

    Bem, discussões filosóficas deixadas de lado, pois estou seguro que essa não é, de forma alguma, a intenção do Paulo Higa, á bom que se esclareçam dois pontos de extrema relevância:

    1 – Se os Mestres e Doutores de plantão estivessem utilizando seu ilimitado conhecimento teórico no desenvolvimento de soluções de larga utlidade para o avanço da tecnologia atualmente em uso, ao invés de perderem horas batendo papo em comentários sem nenhuma utilidade, talvez tivéssemos hoje uma solução melhor que o KDE ou o GNOME a deixar todos muito felizes em todo o planeta.

    2 – 99% das pessoas que habitam o planeta são usuários e não experientes programadores com tempo e paciência para desenvolverem o Kernel dos seus sonhos…

    Portanto, toda essa discussão é inútil. Sou proprietário de uma empresa que atua no ramo de Telecom, com planejamento e implantação de redes corporativas de médio e grande porte, focada na configuração de servidores com redundância de alimentação, processamento, armazenamento de dados e backup e forte ênfase na segurança da rede.

    Montamos somente servidores em Linux e já utilizamos o Ubunto, o Conectiva, o Red Hat, o Fedora, o Kurumin, no entanto, nenhum deles chega sequer próximo da funcionalidade, segurança, robustez e velocidades oferecidas pelo OpenSUSE.

    Mas, há que se ter em mente um pequeno, mas muito importante detalhe: "Não planejo redes ou monto servidores espelhados para satisfazer meu gosto pessoal ou minhas preferências, mas para que sejam funcionais e tenham a melhor usabilidade para meus clientes".

    Meus clientes tem funcionários que, com raras exceções fazem parte dos 99% de usuários do grupo dos reles mortais que não são engenheiros, mestres, doutores ou coisa do gênero, além de terem passado a maior parte do tempo de suas vidas em que tiveram contato com algum PC mergulhados em ambientes windows, em suas mais tristes versões.

    Seria muita inocência, ou, até mesmo imbecilidade, se eu imaginasse que seria capaz de convencer um cliente a migrar uma rede de 300 máquinas para qualquer distribuição do Linux, com o argumento que posso operar milagres através do prompt de comando. Pelo contrário, preciso ganhar sua confiança através de uma interface amigável e que não assuste aos usuários (funcionários da empresa), o mais próximo e familiar possível daquilo a que estão acostumados, ou seja o Windows.

    Tudo o resto é pura perda de tempo e inutilidade.

    E, mesmo sendo proprietário de uma empresa de Telecom, temos dificuldades em acertar muitas coisas, especialmente fazer com que programas fundamentais para a atividade de determinados clientes rodem sem problemas, ou até mesmo se instalem sem problemas no OpenSUSE ou qualquer outra distribuição do Linux.

    No momento, peço pela ajuda de quem tenha conseguido acertar a instalação do Corel Draw X3 no OpenSUSE 11.1. Se puderem colaborar com uma solução, podem entrar em contato pelo e-mail: job@infovel.com.br

    Grato à todos e parabéns ao Paulo pela matéria, certamente vai ajudar muitos usuários do Windows a perderem o medo do Linux e experimentarem uma viagem sem volta pelas maravilhas que este sistema operacional pode operar para quem tem um pouco de tempo e paciência para se aprofundar nele…

    • Mario 5

      Prezado Job,
      Eu sou um destes usuários que nada sabe e não tenho tempo para estudar
      sistemas operacionais. Preciso de um computador para coisas básicas e simples.
      Sou médico e leio jornais, artigos, envio emails e coisas assim. Achei seu
      texto ótimo . Estou usando o Ubuntu 8.04 LTS há 6 meses depois de mais de
      10 anos de Windows e estou muito satisfeito. Se eu tivesse a mínima dificuldade
      com esta distro do Linux eu voltaria imediatamente para uma versão Windows.
      O usuário comum precisa de simplicidade. Eu não ligo a mínima para efeitos
      visuais, beleza etc. Tenho um gosto meio “soviético” para as coisas que uso.
      Gosto que sejam simples, funcionem bem e não apurrinhem. 🙂
      Parabéns pelo seu artigo.
      Cordialmente,
      Mario.

    • jose

      concordo mas o problema maior é poucos que sabem instalar pacotes tgz. tar, bz, bz2 e ainda é muito dificil achar um pacote com a extensão .deb ou rpm não sei se é porque os fabricantes de softwares para linux pensam que todo mundo que está fugindo do windows são nerds..

  • André

    Saberia dizer como conectar em discada no modem motorola sm 56?

  • Tive problemas com a nova versão primeiro que o reconhecimento da placa de video ATI ainda prescisa de melhorias minha placa tem aceleração grafica e no entanto nao posso desfrutar de todos os efeitos que a distribuição traz…alem disso uns errinhos tolos na conexão com a internet paginas que o firefox não abre de jeito nenhum, repositores que não funcionam…nao da nem para atualizar o sistema…È vou voltar pro Ubuntu

  • dynho66

    Testei o OpenSuse 11.1 e oMandriva One 2009 e achei fantástico, porém acabei desistalando pelo seguinte problema: “apenas conseguia ler partições do Windows, mas não conseguia escrever nelas” e como uso ambos os sistemas, Linux e Windows, fiquei bastante descepcionado! Segui vários tutoriais de instalação disso ou daquilo, ntfs-3g, samba e sei-la-mais-o-que e o resultado sempre o mesmo…nada e eu acabava voltando para o Ubuntu que de primeira me dava todas estas opções sem neuras! No momento estou com o Mint Glória instalado (um Ubuntu mais acabado para alguns) e estou adorando…simplesmente fantástico.
    Sempre fui usuario do Windows, mas virei um fã-natico em linux pela rapidez praticidade, segurança e acima de tudo pelo fato de não ter que “cometer atos ilegais”(atire a primeira pedra quem nunca o fez).
    Gostaria de testar novamente as outras duas dristros e se alguém puder me ajudar, agradeço.

  • Felipe Videira

    Linuix é sempre um assunto delicado, especialmente pelas várias distribuições disponíveis. eu Uso o Ubuntu 9.04. sinceramente, acho ele muito bom. estou paquerando o SuSE já faz uns 2 meses e vou instalá-lo no meu PC numa partição pequena,só pra testar mesmo.
    Não quero depender apenas de uma distribuição Linux. como sabemos bem, a Canonical ainda não deu lucro, segundo o Mark disse recentemente. tenho medo de que ele desista e/ou venda o projeto para outra empresa e deixe os fãs (assim como eu) do Ubuntu na mão.
    Já o OpenSUSE, é verdade, já foi vendido (ele não era da Novell) mas hoje está estável nas mãos da empresa. embora o Ubuntu tenha uma importância significativa na popularização do Linux no mundo e, especialmente para os leigos em Linux (como eu um dia,já fui e, graças ao Ubuntu considero-me hoje um nível médio em Linux) mas acho que devemos ir conhecendo outras distribuições sólidas, como o SuSE. Não acho que o Ubuntu vá morrer, mas temo que ele passe para as mãos de outro grupo.

    • Felipe Videira

      Olá Amigos! como dá pra perceber, não estou usando o Ubuntu. lembra-se que eu disse “estar namorando o openSUSE”? Pois é. acabei instalando no meu PC. olha, infelizmente não deu certo. eu sei operar os RPMs e tudo mas, sinceramente, não deu.
      Primeiro, o meu adaptador de vídeo não foi reconhecido e em “settings” não havia nem sinal dele. a resolução ficou muito baixa e não dava pra aumentar. acabei ficando chateado e formatei tudo e instalei algo muito pior: meu Vista Home Basic original.
      Não desmerecendo o openSUSE. mesmo com essa e outras incompatibilidades,achei ele bonito e elegante. só que, infelizmente, comigo não deu certo. gostaria de poder ter experimentado melhor,mas não deu.
      Por favor,não levem meu comentário a mal. se puderem me ajudar,ficarei feliz.